Por um .mundesign melhor

.mundi com chapéu de cobra do pequeno príncipeA imagem ao lado é do pai do .marcamaria usando o chapéu-cobra-engolidora-de-elefantes que aparece no começo do livro Pequeno Príncipe. Essa ilustração do .mundi foi feita para um artigo sobre o aprendizado infantil. Nele, eu encerrava com a seguinte frase do meu ex-professor Alvaro Guillermo:

“[…] é como no Pequeno Príncipe: só crianças que conseguem enxergar a cobra com o elefante dentro.”

Hoje, com a consolidação do .marcamaria, essa afirmação se transforma na mais pura realidade.

Se você ainda não sabe, o .mundesign é o nosso projeto social fundador do .marcamaria. Diferentemente de outros serviços sociais, o objetivo de sustentabilidade do projeto é depender única e exclusivamente de recursos financeiros próprios, independendo de doações o licitações públicas. Com isso, esperamos poder realizar nossas atividades de forma mais organizada e -principalmente- planejada. Para conseguir isso, foi criado o .marcamaria: uma empresa usual com capacidade de gerar lucro para a organização sem fins lucrativos.

Voltando ao cerne do artigo, o .mundi foi criado originalmente como um relatório sobre minha pesquisa científica sobre o uso do design na educação. Muitas pessoas se interessaram em conhecer mais sobre o que eu estava fazendo, logo as visitas do site começaram a aumentar. Como toda pesquisa leva tempo, passava muito tempo para conseguir conteúdo suficiente para ser explorado em um artigo e, por isso, comecei a abordar novos temas na área de design social. Com isso, o público do projeto foi mudando e as pessoas, como no pequeno príncipe, começaram a ver chapéus ao invés de cobras engolidoras de elefantes.

E o problema começou com um indiozinho malandro

A pesquisa que eu estava desenvolvendo quando iniciei o .mundesign, era utilizar o design de marcas para aprimorar o ensino de literatura. Meu objeto de estudo era o Macunaíma de Mário de Andrade. Quando a minha iniciação científica acabou, tive que estacionar o projeto. Agora que retomei os estudos, descobri que ele acabava influindo negativamente no público do .mundi (os acessos e assinaturas de feeds caíam) – como assim!? Eu não poderia mais falar do carinha que fez surgir o .mundesign?!?!

macunaíma - expressões

Como alguém não pode gostar de uma carinha como essa?

Como não estava compreendendo o que se passava, comecei a perguntar para os mais chegados o que era o .mundesign para eles; basicamente as respostas se resumiam a “[…] o .mundi é um projeto para coisas sérias […]” – percebi que errei feio em algum momento, afinal o lema é “brincando e educando”.

Por um .mundesign melhor

Com isso em mente e após refletir muito, o .mundesign vai mudar. Vai voltar a ser o que era. Ele agora será um projeto dedicado exclusivamente ao uso do design na educação, atrelando o entretenimento ao processo.

Digo isso porque para mim não vale mais a pena falar de temas que fogem da minha realidade como mantenedor do .mundi. Quero terminar essa pesquisa que visa transformar crianças em vorazes leitores e criadores de bom conteúdo. Queremos poder distribuir de graça nas escolas públicas obras adaptadas, como o Macunaíma aí acima, em uma linguagem que seja prazerosa para as crianças.

Peço desculpas a todos pela mudança, mas ela é necessária. Mas nunca esquecerei as milhares de visitas mensais ao .mundi.

Um grande abraço a todos,

.faso

2 comentários sobre “Por um .mundesign melhor

  1. Paula disse:

    Parabenizo qualquer iniciativa de incentivo à leitura. Acho que crianças que tomam o gosto pelas palavras e livros desde cedo serão adultos mais abertos, pessoas que entendem que qualquer um é capaz de realizar seus sonhos, em consequência de estudo, seja transformando o suor em dinheiro, seja se realizando de outra forma.

    Adorei a elaboração de um projeto que visa adaptar boas obras para os pequenos. Aliás, dizer que é só pros pequenos é mentira, porque eu já não sou tão pequena e me amarro em literatura infantil. Não desista, ok?

  2. .faso disse:

    Oi Paula!

    Acredito piamente, assim como o tio Monteiro Lobato, que um Brasil se constrói com livros! E é exatamente como você disse: criando o gosto por leitura nas crianças, ampliamos os seus horizontes – ampliamos o seu mundo!!!

    Também adoro literatura infantil! Apesar do foco ser os picorruchos, tenho certeza que muitos grandalhões -como nós- irão querer conhecer!

    Um grande abraço e obrigado pelo apoio,

    .faso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *