Vai uma saladinha aí?

Após encarar mais de vinte e quatro horas sem dormir -situação que me deixou quase em estado Zumbiguifo- tive uma maravilhosa reunião com a talentosíssima ilustradora Julia Cabral, onde eu descobri muito mais do que uma horta super fofa.

Definindo o .marcamaria

Mas antes de começar a falar sobre o nosso encontro, gostaria de avisar sobre algumas mudanças que já estão ocorrendo e que irão acontecer com o .marca.

A primeira delas é que estamos oficialmente assumindo a posição de que o .marca é uma empresa de criação e licenciamento de personagens e, por isso, neste ano de 2008 não iremos mais lançar nenhum novo personagem que fuja dos universos da Vovólima, do Zumbigo, da Kiki e do persona deste post. O que aparentemente seria uma notícia ruim, é uma ótima transformação, pois assim conseguiremos dar a devida atenção ao desenvolvimento das histórias de cada personagem, afinal esse é o núcleo dessa empresa e é o que faz vocês sempre buzinarem por aqui.

“E os bonecos?!?!” – o gordinho lá do fundo da sala exclama. Os bonecos irão e não irão desaparecer. Não serão mais feitos quaisquer bonecos fora desses universos (exceto os que eu faça por puro divertimento ou presente, mas só os mencionarei lá no flickr), inclusive encomendas que não sejam crias nossas, mas vai sempre ter Zumbigo, Vovólima e Kiki para jujubar todo o mundo. O que parecer ser um contra senso é, na verdade, uma necessidade para ajudar o .marcamaria a crescer.

Focando nossa atenção apenas na nossa casa, podemos nos organizar e nos estruturar para poder levar nossos filhos jujubentos às alturas, melhorando a qualidade do entretenimento colaborativo que apresentamos aqui e focando na criação de produtos que são o meio de manter todo esse projeto.

Já adianto que o nosso espírito não muda. Ainda temos um enorme coração de feltro vermelho no peito – a novidade de agora é que temos um caminho mais reto para seguir ao lado de vocês.

E vamos falar de vegetais

Não me lembro ao certo quem me apresentou o trabalho O Henrique Barros me apresentou o trabalho da Julia Cabral; foi encanto à primeira vista. Após ver todas as ilustrações do Caneta Naquim, pensei: “quero ilustrar assim quando eu crescer… mais (risos)” – e em pouco tempo eu havia me tornado fã dessa moça mineira dos desenhos jujubamente noir.

Julia Cabral e Vovólima nos pufs da FNAC/Pinheiros (divulgação/Julia Cabral)

Julia Cabral e Vovólima nos pufs da FNAC/Pinheiros (divulgação/Julia Cabral)

A coisa mais engraçada dos tempos da internet é que quando você tem um ídolo (e a Julia uma das minhas referências) você descobre que aquela pessoa existe de verdade – que não está isolada dos mortais em suas kinetes de marfim. É uma pessoa de carne e osso como você, com a qual você consegue trocar algumas figurinhas.

Quando comecei a fazer bonecos, tive coragem de me “aproximar” da Julia; comecei a deixar comentários sobre suas ilustrações até o dia em que eu vi o Guto, o Bebê Brócolis (abaixo). Tive o descabimento de comentar que ele daria um lindo bonequito e a Julia retornou o contato, mas paramos por aí. Meses depois ela me manda uma nova mensagem falando que gostaria de bonecar o Guto e é aí que conheci uma parceira, uma mentora e uma amiga.

Guto fazendo naninha na Suri, gatinha da Julia Cabral (divulgação/Julia Cabral)

Guto fazendo naninha na Suri, gatinha da Julia Cabral (divulgação/Julia Cabral)

Ontem nos reunimos no FNAC Pinheiros para discutir negócios. Ela quer transformar o Guto e seus Bebês Orgânicos em uma linda linha de bonequitchos e outros mimos que serão capitaneados pelo .marcamaria. É a nossa primeira licença de personagens que, se tudo der certo conosco, dominarão o mundo ao lado da Vovólima e cia.! Então aguarde que em breve você vai ver muito Bebês orgânicos por aqui! X)

Além da salada

Mas o principal motivo desse post não era anunciar essa parceria. Gostaria de falar um pouco sobre o que aprendi em mais de duas horas de conversa com a Julia.

Eu sempre tive problemas com o meu desenho. Vocês sabem que eu não sou lá muito fã dele, mas assim como o Mutarelli, essa é a única forma que eu sei me expressar visualmente. A Julia Cabral falou algo que deveria ser exaustivamente transmitido em qualquer sala de faculdade de design ou cursos de desenho: “você precisa fazer aquilo que você sabe fazer – o seu verdadeiro Eu criativo”.

Por mais que eu goste de Alex Ross, eu nunca poderia pintar como ele – e se conseguisse, eu não seria o Ross, mas sim uma pessoa que pinta de forma parecida. Nós criativos precisamos parar com a mania de tentar ser iguais aos nossos ídolos; precisamos nos valorizar mais, pois não somos todos iguais – temos que valorizar as nossas diferenças. A Julia fez uma maravilhosa analogia sobre isso:

“uma pessoa de cabelo crespo não deveria tentar fazer alisamento, assim como uma pessoa de cabelo liso não deveria tentar encrespar as madeixas – ambas deveriam tirar proveito das suas diferenças e usar isso para expressar o que você realmente é – isso também funciona com a criação”.

O tio .faso é “o desenhista de coisas fofas, com tracinhos tortinhos e cores chapadas” por mais que eu ache estranho.  Vocês passam aqui todo santo dia atrás dos meus desenhinhos tortos e cheios de jujubas e, se vocês não gostassem, certamente já teriam me dado um vale-brinde para eu aprender a desenhar.

Fica aqui a minha mensagem: não importa o que você faça, seja sempre você mesmo. É bom admirar as pessoas, mas use-as como uma espécie de “norte criativo”, algo que te inspire a continuar a trilhar o seu próprio caminho, seja ele torto, sem anatomia mas muito doce e cheio de amigos ao seu lado.

Um grande abraço,

.faso

11 comentários sobre “Vai uma saladinha aí?

  1. Ana Martins disse:

    Isso é bem verdade. Também tento desenhar como meus ídolos. Mais que isso, tento colorir como eles e não consigo. Adorei esse post, porque também me fez pensar bastante no jeito que eu desenho.

    E os desenhos da Júlia são ótimos. Que essa parceria renda muitos frutos bons para todos!

  2. má R. disse:

    olha só o menino todo inspiraaaaaaaaaaaaaaaado. adoro!
    e cara, vamos ver se eu entendi.
    o lance é usar sempre a vovó, kiki e zumbigs, como corpo padrão. mas daí eles terão temas?
    seria como as blythes, mesmo corpo, cabeça, zoião. mas com roupa e maquiagem diferente?
    se sim, eu AMEI a idéia. acho ótimo. prq quando algo se torna padrão, é mais fácil o reconhecimento e firmamento da marca e estilo.

    sobre julia, ela me conhece e eu a conheço mais do que ela sabe, hahaha.
    e isso é HILÁRIO.
    um dia vou conversar com ela e contar todos os babados mil.
    ela é linda, né?
    super criativa. merece muito aonde está agora!

    e você tb!
    depois quero falar contigo uma idéia.
    beijo!

  3. .faso disse:

    Não Má, não é isso.

    Basicamente viramos uma Sanrio (Hello Kitty) com coração, criando estórinhas para esses personagens, fazendo outras coisas como desenho animado, filmes, jogos, birobinhas para MSN e fazendo o mercham para sustentar a empresa – captou?

    Um grande abraço,

    .faso

  4. Julia disse:

    OHN! Vovólima Brócolis!
    Espero que nossa conversa tenha sido mesmo produtiva. =D Porque eu achei suuuuper legal. Estou doida pra começar a produzir, e contar historinhas!
    Um dia, quando tivermos nossos personagens afofando pelo mundo afora, tudo será mais lindo e cheio de jujubas!
    bjos!

    PS: como assim a Má R me conhece mais do que eu sei? *medo* rs

  5. .faso disse:

    “Vovólima Brócolis” não! VOVÓBRÓCOLIS! XD

    Nossa conversa foi mesmo produtiva! Tô desenhando que nem um desenbestado aqui! hehehe

    O mundo precisa de coisas doces e carinhosas e somos nós que temos o saquinho com as jujubas mais jujubentas! X)

    E se preocupa com a Má não! Ela não morde, só abraça bem forte! o/

    Um super beijo,

    .fasim

  6. pedroca disse:

    ah paizão,vai lotar de encomendas brocolentas agora haha. vocês dois são referências minhas,bom saber que são de carne e osso. assim podemos comer pizza :D

    mas eu ainda preferia brócolima… haha
    abraços e sucessinhos (já tá falando igual um businessmenino lá em cima)

  7. Mila Bomtempo disse:

    fala dos imortais como se não fosse um deles heim?

    pra mim, você, a julia e muitas outras pessoas que eu conheço – assim como a ma, mais do que elas imaginam – são meus ídolos!!!

    e acho que você tá ficando muito chique, heim, maninho?!?! já tá falando como um grande empresário mesmo!
    daqui uns dias o .marca conquista o mundo!!! e ele vai ser muito mais feliz e jujubento! XD q delícia!!!

    desejo muito, mas muito sucesso pra você, pra julia, e em todas as outras parcerias que virão de agora pra frente!

    sobre esse negócio de desenhar, eu jah desisti! não nasci pra desenhar a mão! amoooo computador! pra mim, autocad, revit, corel, etc foram as melhores criações do homem! huahuahuahuahua
    mas admiro demaaaaaais essas pessoas que fazem coisas lindas a mão!

    bejocas pessoas!

    *ó, só não vale fazer mulher melancia, moranguinho, jaca, melão… hihihi

  8. .faso disse:

    Mila-mila-mila! Que exagero é esse?! Fiquei corado! Parecia um chocolate com recheio de morango! XD

    Muito obrigado pelo apoio e por ser sempre essa amigona que você é!!!

    Ah! O máximo que terá é um Bebê Quiabo! XD

    Um super abraço,

    .faso

  9. Jaque disse:

    Nossa, tudo aqui é mto fofo! xD eu gostei das ilustrações chapadas de traços tortos, de verdade <3

    Aliás, obrigada por ter escrito sobre a sua conversa com a Julia Cabral, tenha certeza que esse tipo de incentivo é o que muitos desenhistas, como eu, estavam precisando ler/ouvir!
    Tabooom, agora virei fã de vocês dois e do projeto de vcs ^_^

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *