Let the sun shine! – a primeira foto-novela do .marcamaria

Let the sun shine: porque os mini-mis também amam
A primeira foto-novela estreada inteiramente por mini-mis. Contém muito amor e sexo, afinal até sexo de pelúcia vende.
Definitivamente as pessoas me surpreendem e afirmo isso de uma forma super positiva. Há um pouco mais de uma semana meu caríssimo amigo de longa data, o Diego do portal sur10.net me contatou para fazer um casal de mini-mis para presentear sua moça (a Raquel) pelos quatro anos de namoro.

Diego Bruno (frente) e Raquel Amaral (fundo) - um casal de amigos mini-mizados

Diego Bruno (frente) e Raquel Amaral (fundo) - um casal de amigos mini-mizados

Eles foram as primeiras pessoas a serem mini-mizadas com o novo material, estilo cachorrinho de madame. Não era um material estranho para mim, pois o já utilizava na Vovólima, mas eu ainda não havia feito ninguém pequeno com ele – foi uma orgia sensorial, via tato, daquelas!!! (risos)

mini-diego

mini-diego

  
mini-kel, a namorada do mini-diego

mini-kel, a namorada do mini-diego

Finalizados, embalados e entregues os meus pequenos filhos foram entregues aos seus big-mis e foram embora para longe e provavelmente eu nunca os veria… até hoje.

Um presente de natal e um represente para todos

Hoje no meu e-mail recebi um doce presente antecipado de natal: eram os meus filhinhos mandando um “olá!” da sua viagem com os seus novos pais e me pediram para contar um pouco da sua história – um “represente” para todos que sempre visitam e participam do .marcamaria. É a prova que o coração de feltro vermelho dentro daqueles pequenos peitos batem no mesmo pulso que os de verdade.


Let the sun shine: porque os mini-mis também amam

Ninguém sabe ao certo como tudo começou, nem mesmo os protagonistas dessa história. Aparentemente tudo ocorreu em um belo dia, em que a natureza com sua eterna vaidade resolveu que queria animar alguns corações. Aproveitando a nova onda dos jovens mundanos -a internet- decidiu que seria por ali que tudo começaria.

Sem saber muito como mexer naquela caixa bege, ela diz que escolheu suas duas vítimas ao acaso, quando na verdade foram os dois primeiros que apareceram logo ali no canto esquerdo da lista. Para tal, ela provocou um clima em que os dois necessitassem conversar – e o que de fato ocorreu.

Ele era um rapaz comum, não muito diferente de nós. Gostava de passar muito tempo criando coisas que por vezes nunca conseguia concluir. Ela também era assim como ele, tanto que ambos estudavam na mesma faculdade. Mas o diferenciava esses dois mundos era algo especial: ela não podia curtir os sons da vida como nós. Já vou adiantando para os desavisados que isso não era um impedimento, mas sim um ponto de vista completamente novo sobre tudo que pensamos estarmos carecas de saber.

Pense comigo: tudo nesse relacionamento tinha para dar certo, pois além das descobertas usuais que precisamos fazer com todos os nossos novos amores, os dois precisavam aprender descobrir como se comunicar de uma forma que poucos conhecem – mas deveriam: com o coração; isto não ia ser problema, afinal ele não tem braços, olhos, ouvidos ou tudo aquilo que achamos que precisamos para viver. É como dizia a raposa: “(…) só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos…”

Como previsto esse amor deu muito mais que certo; existe firme e forte há quatro anos e foi em um café da manhã após esse tempo de vivência e uma esplêndida noite de amor,  que o dia se tornou mais belo:

"Sabe, às vezes parece que tudo isso é surreal - me sinto como se tudo ao meu redor fosse maior do que nós" - disse Kel

"Sabe, às vezes parece que tudo isso é surreal - me sinto como se tudo ao meu redor fosse maior do que nós" - disse Kel

– Amor, tem horas que eu acho que te conheço há tanto tempo que me surpreendo em pensar que só estamos juntos há apenas quatro anos – suspira Diego

– Verdade isso… smack! Sabe, às vezes parece que tudo isso é surreal – me sinto como se tudo ao nosso redor fosse maior do que nós – disse Kel – sinto algumas coisas que não consigo colocar para fora. Sinto pela primeira vez na minha vida que tem coisas que não consigo dizer.

– Hahaha – que cafoninha!! – retruca Diego

– Bah seu bobo! Não é assim não! Quem é que estava todo choroso aquele dia? Era eu?!?! Nananinanão! Era o senhor! Aliás é você que vive atrás de mim todo santo dia – cof-cof

– Eu sei disso, é porque adoro te encher! Tem coisa melhor que isso? – Diego diz sorrindo – o dia está bonito lá fora, por que não vamos fazer um piquenique? Vamos curtir o dia juntos! Estamos trabalhando demais!!

– Claro que sim! Estou indo me trocar… quer dizer… me vestir! (risos) – Kel levanta-se apressada da cadeira.

Pouco tempo depois os dois estavam caminhando em direção ao matinho que havia ali perto. Estenderam uma linda toalha xadrez sobre a grama enquanto comiam algumas guloseimas que acharam na geladeira da casa.

Para que comer enquanto se pode namorar?

Para que comer enquanto se pode namorar?

Mas comer fora uma das coisas que eles pouco fizeram. Preferiram ficar namorando enquanto o vento os acariciava. Beijos, carinhos e carícias – a noite se repetia em meio a grama. Quando Diego interrompe:

"(...) tem alguma coisa me cutucando!" - diz Diego - "Shhh! Shhh! É a grama seu bobo!!" - responde Kel

"(...) tem alguma coisa me cutucando!" - diz Diego - "Shhh! Shhh! É a grama seu bobo!!" - responde Kel

– Kel… tem alguma coisa me cutucando!

– Shhh! Shhh! É a grama seu bobo!! – responde Kel – não. Espera um pouco… Ai! é uma formiga! Tá em mim também!!!

E os dois saíram correndo em direção da piscina que tinha ali perto. Pularam na água como dois loucos tentando tirar algo de cima de seus corpos. Quando se tem quinze centímetros de altura, uma formiga é como um chiuaua nervoso que não gosta de você. Após verificarem que não havia mais perigo, ambos sobem em uma bóia para recuperar o fôlego após o susto.

Diego e Kel descansam sobre uma bóia, após o susto com as formigas

Diego e Kel descansam sobre uma bóia, após o susto com as formigas

– Nossa essa foi por perto – acho que uma me mordeu aqui – diz Diego apontando para o seu bumbum.

– Mas você não presta mesmo! Você acha que eu ia cair nessa de bundinha mordida?! – retruca Kel

– Errr… sim!?

– (risos) Vem aqui seu bobo que formiga não é desculpa!

E novamente todo aquele movimento recomeça, agora com o advento da bóia que serve para testar suas habilidades físicas.

Primeira cena de mini-sexo sob bóia, modalidade livre

Primeira cena de mini-sexo sob bóia, modalidade livre

Estranhamente Kel tinha roupas extras em sua bolsa (mini-mulher preparada?) e após o fervoroso amor flutuante eles resolveram relaxar:

mini-kel e mini-diego relaxando na piscina

– Sabe Di, queria que esse dia não acabasse mais. A gente trabalha tanto e tem tão pouco tempo para ficar juntinho assim! Queria poder ficar aqui para sempre!!!

– Eu também queria Kel, mas não tem como! Por isso que temos que aproveitar o máximo que pudermos! Aliás, me lembrei: precisamos fazer o almoço!

– Oxe! – Kel diz surpresa – como assim almoço?! Não são nem dez horas!!!

– Você sabe cozinhar? – Diego retruca com a expressão séria

– Não e nem você! – Kel mostra a língua

– Viu! É por isso que precisamos começar agora. Temos umas duas horas para aprender antes de morrer de fome.

E os dois dandaram para cozinha. Como todo jovem casal que não sabe patavinas de afazeres domésticos, a salvação dos seus estômagos só poderia ser uma: o Google.

Aqui tá falando que vai duas xícaras de água para uma de arroz - diz Diego

"Aqui tá falando que vai duas xícaras de água para uma de arroz" - diz Diego

– Nunca pensei que tinha tudo isso no Google. Como que o pessoal cozinhava antes dele existir? – reflete Diego

– Simples: aprendiam com as mães antes de sair de casa, seu tchongo! – retruca Kel

– Minha mãe não deixava eu cozinhar… tinha empregada em casa para isso. Olha só: aqui tá falando que vai duas xícaras de água para uma de arroz, mas não fala qual que é a cor. Será que serve a azul?

Depois de passar quase uma hora discutindo a cor da caneca e a quantidade de água, ambos rumam para o fogão:

Amor, fica ali no cantinho que eu cuido de tudo - diz Diego

"Amor, fica ali no cantinho que eu cuido de tudo" - diz Diego

– Amor, fica ali no cantinho que eu cuido de tudo – diz Diego

Após quase meia hora, Kel volta para cozinha:

– Amor, tá pronto? Não estou sentindo cheiro de nada… VOCÊ NEM COMEÇOU?!?!

– Acho que o fogão está com defeito – diz Diego – ainda não consegui achar o botão de ligar…

"Acho que o fogão está com defeito" - diz Diego

"Acho que o fogão está com defeito" - diz Diego

– Para mim chega!! Vamos pedir pizza!!! – Kel pega o telefone nervosa, colocando-o na mão do Diego.

Após se empanturrarem de pizza, eles resolvem dar uma volta para fazer a digestão do almo-jantar. Durante a caminhada eles ficam lembrando dos momentos felizes que passaram juntos. Dos conflitos que tiveram e de como tudo parecia que não ia ter solução, mas que no final  acabava dando certo. Parecia que tudo na vida dos dois só funcionava perfeitamente quando ambos atuavam juntos para resolver as coisas.

– Sabe Kel, acho que após todos esses anos eu percebi que nosso amor é como esse sol que está se pondo: por mais que às vezes ele não apareça ou venha quente demais, sempre saberemos que ele vai voltar no outro dia, seja ele frio, quente ou fresquinho como está agora. Realmente eu te amo muito mesmo! Basta apenas fazermos como ele faz: iniciar todo dia como um novo dia que nunca voltará. Por isso precisamos transforma ele no melhor dia de nossas vidas.

"O amor é como esse sol (...) por mais que às vezes ele não apareça (...) ele vai voltar no outro dia" - Diego

– Eu também te amo muito e o amor é mesmo como o sol, mas a vida não é só pizza! Tem feijão, arroz, bife e outras coisas que precisamos aprender a cozinhar…


Gostaram? Não? Querem mais coisas assim? Buzinem!!!

Um super abraço,

.faso

Atualização: final refeito para atender os críticos! X)


Conheça mais sobre a surdez em www.sur10.net

9 comentários sobre “Let the sun shine! – a primeira foto-novela do .marcamaria

  1. Kel disse:

    Grande .faso, gostei da história. Muito engraçada e criativa. Mas estou vendo o que o DI escreveu e não gostou. Fazer o quê… risos.

    Não mostre as fotos de sexo. Que vergonha!!! = P

    Parabéns pela história. rs

    Abração,
    Kel

  2. Diego Ferrari Bruno disse:

    Como é um pouco sobre mim eu vou ter que falar a real…

    Quem não sabe onde é o botão do fogão é a KEL!

    Bom, a história ficou muito engraçada e combinou.. só fico feliz de não ter mandado as outras fotos das outras “modalidades”

    Mas uma coisa eu não gostei.. do final.. sei láaaaaaaaaaa esse papo meladinho… acho que eles podiam fazer mais sexo.. é isso ae!

    no mais Ta Jóia! Brigadão, demos boas risadas aqui!

  3. .faso disse:

    Arrumado! Arrumado! E quem mandou vocês tirarem fotos do mini-diego “cozinhando” com a panela vazia?! Isso aí foi pedir para virar vítima da piada! X)

    Acho que precisamos fazer umas foto-novelas mexicanas com mini-mis, o que vocês acham?

    Abraços,

    .faso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *