Quando o mini-mi vai ao sexshop

Mini-mis Cibele hotboc e Sexcravo

Ilustrando fetiches através de mini-mis. Vivemos em uma sociedade sexualizada. Basta verificar os programas midiáticos, revistas e impressos ou as pessoas que perambulam pelas ruas – invariavelmente você encontrará um componente sexual, seja uma jovem com corpo vultuoso nos oferecendo cerveja, uma música que trate da conjunção carnal ou mesmo aquela mocinha que utiliza uma meia arrastão em suas vestes góticas. Mesmo com tudo isso, somos uma sociedade pudica.

Por mais estranho que seja, mesmo com todas essas manifestações quando tentamos tratar sobre o assunto sexo, as pessoas correm. Alguém já entrou em um sexshop durante o dia? É quase tão vazio como uma repartição pública após o expediente. Mas mesmo assim entre quatro paredes, sob o véu da escuridão, toda barreira se esvai. Nós assumimos e incorporamos o nosso lado B; um lado libidinoso que faz a humanidade ser o que é: hipocritamente-politicamente correta.

Eu gosto de falar (e fazer -risos) de sexo e outras besteiras. Será que seria um abuso da minha parte representar o sexo de forma lúdica, através de bonequinhos?

A idéia

Mini-mi Sexcravo

O mini-mi Sexcravo (ou simplesmente mini-Sexcravo) surgiu após um pedido do ilustrador Kako, que me falou para criar um boneco para sortear no Bistecão Ilustrado (evento mensal que reúne mais ilustradores por metro quadrado no Brasil). Há muito tempo (pelo menos um ano) queria fazer um personagem que incorporasse a figura do escravo sexual, mas nada saía do papel até eu ter essa oportunidade.

Por ser um boneco totalmente ilustrado sob uma base de algodão cru, eu tinha total liberdade em escolher os tons, fora que eu não ficava preso por limites físicos. Como gosto de fazer, postei no flickr várias etapas do processo de ilustração enquanto fazia os bonecos. Fica aqui a dica: se quer ver o que está rolando em tempo real aqui no .marcamaria, assine o feed do flickr (saiba o que é feed aqui) ou entre regularmente no flickr do .marcamaria.

Abaixo você pode ver algumas fotos da produção do Sexcravo:

Esboço do mini-mi sexcravo na base em algodão Pintura base do mini-mi (e seu mini-varal improvisado) Pintura base pronta. Hora de aplicar os detalhes Mini-mi sexcravo finalizado Mini-mi sexcravo (frente)
Mini-mi sexcravo (costas) Mini-mi sexcravo (close) Mini-mi sexcravo (close) Mini-mi sexcravo caixa (frente) Mini-mi sexcravo caixa (costas)

Com o bonequinho pronto, fui para o Bistecão e aguardei o sorteio. E qual foi a minha surpresa quando o grande ilustrador Montalvo Machado (um mestre que além de ilustrar divinamente, sempre sacudiu os novatos ilustres para se valorizarem, respeitando seus direitos autorais) foi sorteado como o novo pai do Sexcravo:

Tio Montalvo e o mini-mi Sexcravo posando para um clic!

Tio Montalvo e o mini-mi Sexcravo posando para um clic!

E ele fez algo que eu proponho a todos donos de mini-mi: ele mandou uma foto do boneco no seu local de trabalho (eu furtei do flickr dele, mas ele ganha um link de brinde! XD)!

Mini-mi sexcravo no estúdio do ilustrador Montalvo Machado (foto pelo próprio)

Mini-mi sexcravo no estúdio do ilustrador Montalvo Machado (foto pelo próprio)

Nós não somos nada sem amor

Mas o que seríamos de nós, sem o amor? Um bando de corpos sem alegria ou razão para pulular por aí? É por isso que resolvi dar uma moça pro mini-mi Sexcravo – conheça a Cibele Hotboc (ou simplesmente mini-cibele hotboc):

Mini-mi Cibele hotboc e seu olhar penetrante

Mini-mi Cibele hotboc e seu olhar penetrante

Logo depois de terminar o Sexcravo, fiquei pensando qual poderia ser uma namoradinha para ele. O mais óbvio era criar uma dominatrix, mas queria fazer algo incomum. Foi aí que surgiu a idéia de usar uma boneca inflável.

Rascunho da Cibele hotboc sobre um mini-mi em branco Iniciando a pintura da mini-mi Cibele Hotboc O povo escolheu a cor do cabelo da Cibele hotboc. Na idéia original era loira. Pintura corporal da mini-mi Cibele hotboc finalizada Mini-mi Cibele hotboc finalizada (frente)
Mini-mi Cibele hotboc finalizada (costas) Mini-mi Cibele hotboc (close)

Ela levou duas semanas para ficar pronta (falta de tempo do tio .faso), mas pude fazer algumas coisas interessantes, como perguntar para as pessoas no twitter qual poderia ser a cor do cabelo dela, pois a minha idéia original era a transformar em loira, mas “ruiva fogosa” ganhou em disparada! Obrigado a todo mundo que opinou! X)

Como eu disse lá no comecinho, a nossa sociedade é muito sexualizada, mas a moral e o respeito estão sumindo do repertório, principalmente dos homens.

Nós seres de pêlos peitorais, muitas vezes destratamos e desrespeitamos a mulheres, transformando-as em verdadeiros objetos de onanismo e o maior expoente desse (de)feito é a boneca inflável. Mas o Sexcravo é diferente.

Ele trata a Cibele como uma rainha. A respeita e cuida dela, mesmo quando ela se machuca. Ele abre a porta do carro, a cobre da chuva e a mima de vez em quando (sempre precisamos deixar umas cartinhas na manga para criar sorrisos). É o fetiche sexual se transformando em algo delicado, levemente pueril e nada explícito.

Bem, só demorei para fazer esse post porque queria fazer ele completo, com a Cibelinha e tudo mais. Se eu conseguir, vou fazer uns testes com uma versão articulada deles, para poder ilustrar esse relacionamento – o que vocês acham?

Um super abraço,

.faso

5 comentários sobre “Quando o mini-mi vai ao sexshop

  1. Jean C.S disse:

    Ri muito com a Mini-mi Cibele ficou show de bola queria ter uns mini-mi deses pra colocar na minha estante ficarão muito show mesmo.
    Parabens é um belo trabalho…realmente muito bem feito…
    A já ia esquecendo… vi o video do seu “aquario” tá na hora de dar uma arrumada ai né heheheeh deve ter um t-rex morto m baixo dos panos ai hehehe.
    Mais uma vez parabens pelo belo trabalho.

  2. Gabi Martins disse:

    Adorei a Cibele. Não tive chance de dar pitaco na cor dos cabelos via flickr, mas concordo com a escolha: o vermelho cria mais contraste com a pele.

    Vai fazer desses pra vender? Se fizer, eu tenho interesse^^

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *