Um ano de Vovólima: resultado do concurso

Vovóneca segurando o mini livro da Vovólima

Esse concurso só se definiu nos minutos finais. Quatro pessoas analisaram os sonhos e tiveram a difícil tarefa de selecionar apenas três que se sobressaíssem sobre os demais, a fim de ganhar o mini-livro da Vovólima.

Deu trabalho. Muitos sonhos foram analisados; muitas idéias inspiradoras e reflexivas, mas só três poderiam ganhar. Mas antes de anunciar os ganhadores, gostaria de dar dois dedinhos de prosa a respeito dos sonhos.

Não sei bem há quanto tempo penso nisso, mas acredito que o mundo é feito de sonhos. Se você vê uma casa, ela é uma comunhão de sonhos, desde o arquiteto e engenheiro que a projetaram, dos pedreiros que a montaram para conquistar seus próprios sonhos e do proprietário que, por fim, sonhou em ter o seu próprio teto. Se não fosso pelos sonhos, acredito que o mundo não seria como conhecemos.

Por isso é bom sonhar. Ter um sonho em seu coração te motiva a ir em frente;  a imaginar um mundo melhor quando tudo demonstra o contrário; te faz superar muitos obstáculos para ver aquele pequeno-grande sonho concretizado.

Vocês lêem um dos meus sonhos. Três de vocês ganharão um pedaço dele, assim como ganhei um pedacinho de felicidade ao ver o que cada um relatou.

Resultado

Para poder escolher os campeões, todos os sonhos do post original foram lidos por quatro pessoas (eu, Sra. .marcamaria, minha mãe e irmã) que elegeram três vencedores cada um. Os que possuíam pelo menos dois votos foram declarados vencedores. Ei-los:

  1. Vanessa Macedo
  2. Mr. Prawiro
  3. Van Moreira

Vanessa Macedo

Eu sonho com coisas fofas, com coisas que terminam em “inho” e “inha”, também sonho com coisas arredondadas e coloridas, sonho com delicadeza.

Sonho com pequenas coisinhas, um monte delas, com florzinhas, sapinhos até elefantinhos, eu sonho com coisas fofas e bestas.

É sonho com coisas bestas, bem bestas, bestinhas melhor dizendo, sonho com livrinhos, bichinhos, caderninhos, coisinhas que compõem a nossa mesa, nosso quarto, nossa estante e escrivaninha, coisas que nos foram dadas e por nós resgatadas, são coisas que nos fazem sorrir pelas lembranças e coisas que nos surpreendem de tão sapecas.

Mas eu também sonho com que essas coisas invadam a vida de todo mundo, sonho que nelas todos se reconheçam crianças sapecas, espertinhas e curiosas e amiguinhas.

Sonho com o mundo e meu mundo, responsável e cheio de ternura, com atos positivos e bem endereçados, engajados? Não sei, eu sonho com o bem.

Muito lembra um sonho .marcamaria. personalizada em uma figurinha vovólima, uma “velhinha simpática”, gorduchinha (menos do que você imagina ¬¬), redondinha, aconchegante, como um dia de frio comendo cookie, bebendo chocolate quente, assistindo Wall – E ou; cortando papel, fazendo caderninhos e agendinhas, escutando Lily Allen, ou fazendo docinhos para os amigos.

Pequenos sonhos desenhados em folhas brancas, escutando a Tv.

A Vanessa foi uma das primeiras escolhidas. Ela relatou não um sonho particular, algo maior. Ela sonha com aquelas coisas simples e doces, que fazem a nossa vida mais feliz. E ela foi além, desejando que essa felicidade tão gostosa se insira na vida de todos nós.

Mr. Prawiro

Uma vez li o seguinte no blog Post Secret:

“my wildest dream
is to find happiness
in my everyday life”

Sonhos de verdade têm que ser, de alguma forma, inatingíveis… não no sentido de que não serão alcançados, mas no sentido de que, quando são conquistados eles automaticamente se renovam… e acredito que esse é o barato de sonhar em “encontrar felicidade nas coisas do dia-a-dia”.

Meus sonhos não são pra daqui a 5, 10 ou 20 anos… são pra amanhã… e depois de amanhã… e depois… e ter essa oportunidade de realizar um sonho por dia é bom.

Quer um exemplo de “felicidade” encontrada recentemente? Vovólima.

Não ela especificamente, mas o que ela representa pra mim.

Vovólima virou papel de parede nos últimos dias porque ao olhar pra ela eu reforço a minha crença de que é possível ganhar dinheiro suficiente pra se levar uma vida bacana, sem explorar ou ser explorado por ninguém, trabalhando em casa com sua esposa/namorada e fazendo algo pelo qual se é verdadeiramente apaixonado.

Enfim… minha resposta é essa: um sonho que eu não desisto de tentar transformar em realidade todos os dias é encontrar felicidade nas coisas do dia-a-dia.

O sonho do Mr. Prawiro demonstrou que devemos ter muitos sonhos, alguns grandes e outros pequenos, que permeiam cada momento da nossa vida. Ele mostra que os sonhos precisam ter aquele gostinho de desafio; uma meta a ser atingida e quando isso acontece nós não devemos parar, mas sim continuar sonhando.

Van Moreira

Lembro-me de ter uns 17 anos, quando um amigo me perguntou para onde eu iria se pudesse viajar para fora do Brasil, não sei porque eu respondi Chile. Naquela época eu não conhecia nada, nadinha desse país. Foi quando eu comecei a pesquisar a respeito, e fiquei super entusiasmada com a idéia.

Porém faltava dinheiro, e como a vida não é um conto de fadas, meus pais não poderiam me ajudar, comecei a juntar o dinheiro, dinheirinho suando, eu trabalhava na época como degustadora em supermercado, ganhava pouco, mais mês a mês eu guardava um tantinho.

Cheguei a fazer loucuras para juntar o dinheiro, mesmo sendo 1 real, deixava de comer coisas que gosto na rua, deixava de sair e por várias fui trabalhar a pé caminhando por mais de 1 hora, só para guardar o dinheiro da condução para a minha tão sonhada viagem.

Depois de alguns anos, com exatamente 22 anos, eu estava muito chateada e frustrada com o meu trabalho, com a minha vida. Tinha começado a faculdade mais parecia que tudo conspirava contra a minha felicidade.

Numa noite conversando com uma amiga na faculdade, contei-lhe o meu sonho, e ela disse para mim: “a Van eu acho que você deveria ir, sim”, foi o ponto inicial, nessa mesma noite, eu tive uma longa conversa com minha mãe, disse o quanto estava frustrada com tudo na minha vida, disse que queria muito viajar, e que achava que essa viagem me traria uma nova visão do mundo. Minha maravilhosa mãe, me disse com uma voz terna: “Siga seu coração minha filha”.

No dia seguinte, pedi a conta do meu emprego, fiz o aviso prévio e preparei tudo o que precisava para a viagem, no dia 10 de junho de 2005 exatamente 11:15 da manhã, eu estava dentro do ônibus que me levaria para Santiago, no Chile.

Eu que nunca havia saindo do estado de São Paulo, sem saber falar uma palavra em espanhol, fui sozinha com uma mochila nas costas, sem lugar definido para ficar, apenas com uma listinha de hotéis, estava prestes a realizar o meu sonho, não me continha de tanta alegria.

Essa viagem foi a coisa mais incrível que aconteceu na minha vida, depois de 2 meses voltei, por estar feliz comigo, parecia que o mundo conspirava ao meu favor, eu consegui um estágio numa agência e a partir daí a minha vida volto a andar.

A Van personifica bem o meu lema (“Nunca desista dos seus sonhos”). Por muito tempo ela tinha um sonho que estava inquieto em seu coração. Por mais que o tempo passasse ela sempre o mantinha juntinho do seu peito. Batalhou e apanhou muito para o ver concretizado, mesmo sabendo que era para viajar para um lugar que nem sequer conhecia a língua e trouxe na bagagem a inspiração para continuar indo em frente.

A todo mundo que participou, deixando o seu sonho ou apenas uma lembrança pela data, muito obrigado! E parabéns a todos que venceram. Entrarei em contato.

Nunca desita dos seus sonhos,

.faso

3 comentários sobre “Um ano de Vovólima: resultado do concurso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *