O ser Froid

O gato Froid sobre o muro
Era uma gostosa manhã outonal de sábado. Um suave frio permeava a casa, tornando os cobertores e chocolates quentes mais convidativos do que nunca. Fabine tenta criar coragem para se levantar, mas o cobertor a abraça de forma tão gostosa como se implorasse para ficar só mais um pouquinho – e ela o fez.

Quando começou a sentir o sono sussurrar novamente, ela sente algo caminhando sobre sua perna, indo em direção ao seu rosto. Ao abrir os olhos ela vê o gato Froid observando-a, ronronando e cutucando o cobertor com sua patinha direita. Com a voz sonolenta, ela indaga:

– Froid, você quer entrar aqui? –  ela fala levantando a pontinha da coberta, fazendo uma caverna pequenina.

– Miau! –  Froid responde, entrando no buraco que acabara de ser aberto.

Embaixo do cobertor, Froid fica girando em círculos, indo para os pés e voltando para barriga da Fabine, procurando o lugar mais cômodo para poder deitar. Então ele sai do cobertor, desce da cama e sobe novamente pelo outro lado. E mais uma vez ele pede para entrar naquele mundinho quente. Ele repete isso umas três vezes, deixando Fabine irritada por não conseguir dormir novamente. Neste momento Vovólima chega ao quarto para poder acordar a neta:

– Bom dia Fabine! Vamos levantar, minha menininha! Tem um pãozinho super gostoso te esperando lá embaixo…

– Já estou levantada, só que meus pés não estão no chão -Fabine falava isso quando estava acordada, mas permanecia deitada. Afinal, para ela a diferença entre estar de pé acordada e deitada e acordada, é que não havia chão- o Froid já me acordou e não me deixa dormir mais… que gato mais indeciso…

– Indeciso como? – retruca a Vovólima

– Ah vóvis, ele pediu para entrar no cobertor e depois ficou saindo e entrando novamente. Se eu quero dormir eu fico quietinha no meu canto… – Fabine responde com a cara emburrada.

– Mas ele não queria dormir. Eu pedi para ele te acordar.

– Como assim vó?!?! -Fabine indaga espantada- gato não entende o que a gente fala!

– Entende sim, mas o que acontece é que geralmente nós não entendemos os que os bichos querem dizer. Os bichinhos não falam a mesma língua que a gente. Eles são parecidos com pessoas que moram em outros países. Cada povo tem sua própria forma de dizer as palavras, mas as vezes nós não entendemos. Quando isso acontece a gente usa outras formas para se comunicar, como gestos – foi isso que o Froid fez.

–  Mas vó, ele só miou para mim e pediu para entrar no cobertor! – retruca Fabine – como que eu ia saber que era para eu acordar?

Vovólima senta-se na beira da cama e continua a explicar:

– Ele subiu em você para ver se você estava acordada. Miou para te chamar e quando viu que você não queria levantar, ele tentou puxar o cobertor. Como ele não tem força para fazer isso e você não entendeu o que ele queria, ele ficou entrando e saindo da coberta, tentando te falar na língua dos gatos “Hei menininha! Tá na hora de levantar!!”

Fabine ficou matutando sobre o ocorrido, que por mais que ela não entendesse o que o Froid dizia, ele teve sucesso em seu intuito: consegui acordá-la. Já na cozinha tomando seu chocolate e comendo pãozinho, ela viu o Froid subindo na mesa e olhando para ela. Ela diz:

– Você quer se sentar? Olha aqui a cadeira – ela diz, puxando uma  banqueta que estava sobre a mesa.

Froid sentou-se na cadeira enquanto Fabine colocava alguns biscoitinhos de peixe perto da beira da mesa. Froid se levantava sobre as patas traseiras, pegava  um biscoito e voltava a se sentar enquanto comia. A partir daquele dia, os cafés, almoços e jantares eram para três pessoas: Vovólima, Fabine e Froid que não era mais apenas um bichinho qualquer.


Gostaram da estórinha? É o retorno dos contos e causos da Vovólima. Faz mais de um ano que não aparece nenhuma estória da Vovó. Não que eu não estava sem inspiração para falar sobre a Vovólima, mas não me sentia em condições de fazer contos dignos da principal estrela do .marcamaria.

Aproveitei a nova fase para fazer o redesign dos personagens, justamente porque quero finalmente lançar os bonequinhos e outros mimos do mundo da vovó. Gostaram no novo visual do Froid? Ele era assim (abaixo), mas após conviver com três gatos em casa, vi que o Froid precisava ter um Q de mistério e profundidade que só os gatos tem.

Design anterior do Froid

Design anterior do Froid

Buzinem seus comentários aí embaixo! X)

Um super abraço,

tio .faso

Atenção: Saiba mais sobre o mundo da Vovólima, visitando o Guia da Vovólima.

9 comentários sobre “O ser Froid

  1. patricia c disse:

    hahaha adorei! E seu conto é tão real aqui na rotina das 3 gatas-malucas que vivem comigo que eu nem posso dizer que os gatos não conversam, não entendem e até que “não pensam” hahaah

    a minha Preta, a mais velha é super falante.. a mais nova, Coco, é a que entra debaixo do edredon e acha que está se escondendo… rs

    Ai, felicidade é ter gatos por perto =)

    bj

  2. Camila disse:

    Tiooooooooooooooooooooooooooooooo!
    Fala sériooooooooo! Eu achei que era historinha infantil daquelas que a gente lê pra criança! Eu adorei, quero ver mais, escreve escreve mais!
    Vou te mandar um flickrmail porque tem coisas q a gente só fala pessoalmente né?
    Bjossss!
    Cada dia que passa me torno mais sua fã!!!

  3. Lucas "Spider" disse:

    Que legal te ver postando com mais regularidade e postando novamente esses contos maravilhosos!

    Eu nunca tive gato, mas gostei mto da histórinha.

    Sobre o Froid, acho que ele tá pouco expressivo em relação ao anterior que demonstrava ter uma personalidade mais forte. O novo tá legal pela simplicidade, mas deveria ter um pouco da expressão do antigo. Fica aí minha buzinada.

    Abraços .faso e bons ventos pra vc nessa volta.

  4. Rosangela disse:

    Fiquei encantada com tudo que vi no site. Sou Orientadora Educacional, aqui no Rio Grande do Sul, e o trabalho que desenvolves caiu como uma luva no meu trabalho junto às minhas crianças.Como abres espaço para divulgação, coloquei no meu blog, uma das histórias da Vovólima e minhas impressões, juntamente com a logomarca. Se não aprovar, peço que me avise, pois respeito muito a autoria de trabalhos com o gabarito do seu.
    Abraço fraterno e cumprimentos pelo belo trabalho.
    Rosangela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *