O astronauta morto

O astronauta morto

Sabe aquele material que fica parado por anos em um canto da sua oficina/ateliê e você não sabe exatamente o que fazer com ele, mas guarda mesmo assim pois um dia ele será útil?

Pois bem, essa é a história de uma bola de plástico que eu ganhei em um natal longínquo e que virou um dos bonecos mais legais que fiz nos últimos anos!

Esboço para o boneco do Astronauta Morto

Esboço para o boneco do Astronauta Morto

Uma bola de natal de plástico transparente. Era só isso que eu tinha, além da vontade de usar ela para algo diferente. Aproveitei um convite para uma exposição em 2016 para colocar essa ideia em prática.

 

Cheguei a consultar o pessoal na minha página pessoal do Facebook e a ideia mais interessante que me propuseram era utilizar a esfera como um capacete para uma cabeça que flutuasse. “Como raios eu vou fazer isso??” – pensei e antes de fugir da raia comecei a rabiscar um astronauta que morreu, mas que por algum motivo o crânio flutuava dentro do capacete. E já que eu estava abraçando o capeta bonequeiro, que tal complicar um pouco mais?

Além de ser uma peça totalmente articulada (isso incluía dedos que se mexem de forma independente), achei por bem colocar um LED acionado por um interruptor, assim finalmente teria um boneco que acende “a luzinha” (risos).

Começando a produção

Criando linhas e mais linhas de vincos (gominhos) para o uniforme do astronauta

Criando linhas e mais linhas de vincos (gominhos) para o uniforme do astronauta

O primeiro obstáculo que encontrei na hora de produzir o astronauta é que eu queria que a roupa fosse verde oliva e cheia de gominhos como os uniformes de filmes clássicos de ficção científica. O tecido verde foi fácil de achar na minha tecidoteca, mas os gominhos eu precisei fazer um-a-um.

 

Não sei ao certo que tipo de tecido é esse (ele tem textura como os materiais utilizados em guarda-chuvas, mas é mais macio), mas para que ele ficasse do jeito que eu desejava eu precisei colocar uma manta de fibra de poliéster (aquelas utilizadas em edredons) para que os vincos ficassem pronunciados.

Após fazer trocentos gominhos e montar o macacão, precisava descobrir como unir uma esfera de acrílico a um corpo de tecido. A solução? A base do cone de linha de costura!

Base para o pescoço do uniforme do astronauta

Montando o esqueleto e transformando a roupa

Etapas da produção e montagem do esqueleto

Etapas da produção e montagem do esqueleto

Montar esqueletos estruturais para bonecos é a fina arte de fazer algo ficar em pé sem você saber o peso final da coisa toda. Para o astronauta eu usei uma combinação de músculos de fiação elétrica com ossos de latão. A “carne” (aquilo que preenche o espaço interno do macacão) foi feito com manta de fibra de poliéster.

 

“Nossa que trabalheira!!” – você deve estar pensando. Confesso que lendo assim parece que tudo é muito complicado, mas a pior parte em se fazer um boneco é justamente vestir ele. Tente imaginar que você precisa passar o seu corpo todo por um buraco pouca coisa maior que a manga de uma camiseta. ISSO SIM é o trabalho chato.

Detalhes do acabamento do uniforme

Detalhes do acabamento do uniforme

Com o corpinho pronto, precisei trabalhar nos detalhes do uniforme para ele não ficar muito chapado.

 

Utilizei tinta para tecido, pedacinhos de feltro, EVA, acetato e papelão para compor o look. A parte mais pentelhinha de fazer foi a placa em que o LED ia ser colocado, pois por ter uma base de papelão a peça não flexionava o suficiente para ser costurada com agulha reta normal – precisei apelar para uma agulha curva, que sempre demonstra um dos melhores investimentos que fiz.

Para finalizar a roupa, eu precisava esconder toda a fiação de alimentação do LED e sua bateria. Como o boneco era um astronauta, aproveitei e fiz uma mochila com o equipamento de sustentação de vida para ele.

Detalhes da mochila do astronauta

Desafio final: o capacete

Após quase 80h de trabalho eu cheguei ao motivo principal de montar esse boneco: fazer um crânio flutuar em um capacete.

Crânio flutuando dentro da esfera de plástico

Experimentei de tudo, mas o que realmente fez a magia acontecer foi um pedacinho de acetato preso estrategicamente na emenda da esfera.

E com uns risquinhos aqui e acolá (afinal, alguma coisa deve ter causado a morte do astronauta), um apoio de cabeça  e um band-aid (a esperança é a última que morre), o Astronauta Morto ficou pronto!

O boneco do Astronauta Morto finalizado

E como sou um pai orgulhoso o boneco é cheio de detalhes, vale a pena ver o resultado final em vários ângulos:

O boneco do Astronauta Morto, em divesos ângulos

E logo depois de terminar o Astronauta Morto, comprei um pacote com 10 esferas de acrílico iguais as que utilizei nele. Sinta-se à vontade para sugerir nos comentários novos bonequinhos para eu dar cabo delas! :)

 

Um comentário sobre “O astronauta morto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *