Botões e retículas

Botões acordando - arte final usando retícula digital

Uma coisa que eu tenho feito muito ultimamente é não passar vontade. Sempre fiquei me podando e freiando minha vontade de criar, o que me deixa muito frustado e que me faz ficar com problemas para dormir há bastante tempo. Quase dez meses para ser correto. Hoje não foi diferente, tanto que só consegui pregar os olhos lá pelas sete da matina.

Nesse rala e rola pela minha cama, fiz um mini flash back da minha vida desenheira:

  • Gostava do estilo japonês de desenho, principalmente por causa das expressões emocionais e arte final;
  • Fui muito influenciado pelo estilo cartoonizado dos desenhos animados;
  • Não me dou bem com técnicas de pintura manual. Sim, eu desisto!;
  • Meu estilo próprio é muito minimalista. Não adianta eu querer fazer algo que não condiz com o que sai naturalmente do meu lápis.

Continuar lendo

nem todo herói voa

Cornflake

HQ da Samanta Flôor, do www.cornflake.com.br (reprodução)

Comecei a ler e gostar de Histórias em Quadrinhos -prefiro o termo “gibi”- com onze anos de idade. Isso não significa que eu não tenha lido as Mônicas e Disneys da vida, mas foi apenas nessa época que comecei a me interessar por desenho e criar histórias. Foi nesse tempo que surgiram os meus “primeiros heróis” que com o tempo foram se esvaecendo no fundo do baú. Pensei que nunca mais admiraria alguém como nos meus tempos de mini-blackpower e isso era uma realidade até eu conhecer a nobre contadora de histórias acima: a Samanta Flôor. Continuar lendo